Em solo Argentino, sexto dia!

Em solo Argentino, sexto dia!

  
992   0   10   0   0
Comentários (0)

Saímos bem cedo de São Miguel das Missões, passamos por São Borja, para atravessar a divisa, fizemos uma parada no Restaurante Algo Mais (Av: Eurico Batista da Silva, 47) para almoçarmos, um lugar bem legal, ótima comida, e preço justo, ainda o João Marcos, que trabalha nesse restaurante nos ajudou bastante, porque minha carta verde (Seguro de terceiros para albums paises do mercosul) só ficou pronta ao meio dia, e provavelmente o comercio onde eu poderia imprimir só abriria após as 14:00, o que atrasaria nossa viagem, mas ele muito gentilmente imprimiu para mim.

Paramos para abastecer as motos e seguimos rumo a fronteira, fomos muito bem atendidos e em 15 minutos fomos liderados... Show de bola! Seguimos sentido Corrientes, e nossos planos eram dormir em Resistência, que fica do outro lado da ponte, e estávamos a 400km do nosso destino, seguimos pela Ruta Nacional 12 (RN12), uma estrada com muitas ranhuras na pista, o que deixa a moto um pouco instável, várias motos sem nenhuma luz, totalmente apagadas, andando nos acostamentos, pelo mato, ou até mesmo no asfalto, o que exige mais atenção, e uma visão mais periférica, nesse dia também encontramos muitos animais,como cavalos, galinhas, cachorros, grande pássaros, vivos, e mortos próximo, ou no próprio acostamento (inclusive um cavalo caiu de um barranco por acidente, coisa de 2 metros, chegando perto do acostamento, e deu um susto grande em nós! Entramos em Corrientes, e já sabíamos que precisaríamos fazer um caminho extremamente correto, pela pista local, para não sermos multados, ou melhor dizendo "extorquidos" pelos guardas, mas de nada adiantou, pegando um trânsito de uns 30 minutos, fizemos tudo certinho, e adivinhem??? Fomos parados, pediram até a cor da cueca do Bueno, mas viemos preparados, e tudo estava OK, nem precisava, eles queriam dinheiro de qualquer jeito, e pediram tudo que o Bueno tinha na carteira, infelizmente não foi apenas o dinheiro que nós levaram, também levaram a nossa emoção de estar pela primeira vez na Argentina, a boa impressão de todos acenando nas estradas, na cidade éramos parados para contarem do jogo do Brasil, como tinha sido, quantos gols, ou simplesmente para sabermos de onde vinhamos, e para onde iríamos, sempre muito amáveis, e por fim nossa vontade de permanecer na cidade por uns 3 dias, com certeza esse prejuízo sim é grande para ambas as partes, porque somos turistas, e também movimentamos a economia deles, mas nada disso é levado em consideração, o que me deixa muito triste, é que isso acontece a muitos anos, a fama já rompeu todas as barreiras, e chega a ser internacional, e nada é feito, nunca! Pois bem, nós fizemos a nossa parte, mandamos um e-mail para o consulado brasileiro, comunicando o ocorrido, mesmo que de nada adiante, mas se todos denunciarmos, e não formos coniventes, mais dias, ou menos dias, isso tem que acabar, resumindo, pessoas de má índole tem no mundo inteiro, o povo argentino é muito alegre, e acolhedor, mas a sua polícia, ainda tem muito que evoluir, a começar por tratar bem os turistas, e não roubá-los na maior da cara de pau!

Momentos bons/ divertidos....

Estava eu concentrada, e atenta, como se é devido em uma motocicleta, ainda mais fora do Brasil, nesse momento, o Bueno me chama no intercomunicador, dizendo que todos na Argentina sabiam que ele era bom... Pensei, será que ele está bem? Será que é cansaço? Mas perguntei de forma séria, porque? Ele me respondeu por que eu me chamou "Buêêêêêno", quase cai da moto de tanto rir, chorei....kkkkk

Outro momento impagável foi pararmos para abastece, ah, falando nisso, tem muitos postos no caminho, tente pagar sempre em peso, pois o câmbio deles de reais para pesos é péssimo.... Voltando, com as motos abastecidas, o rapaz me pergunta do jogo do Brasil, e fomos dar uma olhadinha, quando entramos na conveniência o Brasil estava comemorando o seu primeiro gol, os Argentinos revoltados porque estavam torcendo contra, e nesse momento foi impossível não vibrar junto com o Brasil, todos pararam e nós olharam, sentamos e fomos comer algo bem tranqüilos, mesmo porque cara feia para mim é foooooome, não é mesmo???? Kkkkk

Terminamos assim nosso dia, no hotel em Resistencia, chamado Niyat Urban Hotel (booking.com), no centro, apartamento super pequeno, chegando a ser apertado mesmo, mas o atendimento foi bem legal, mesmo assim não recomendo, ele fica perto do centro, onde é super tumultuado, o estacionamento fica a duas quadras, custo de 800 pesos com jantar, e café da manhã!

Pessoal, sei que alguns textos aqui estão com erros de singular, e plural, ou até coisas que vocês nem conseguem ler, mas entendem o contesto, quero dizer que estou me esforçando para relatar nossa viagem todos os dias, é difícil, devido só ao cansaço, por só conseguir fazer isso umas 22:00, e ainda do celular, sem falar que sou loira....kkkk.... Depois vou corrigir tudo, o importante agora é não deixar nada para trás!!!!

Grande abraço a todos...

Claide Assmann

Veja também:
- o relato do Bueno para este dia: "Dia 06, de São Miguel das Missões/RS à Resistencia/CHO/ARG".
- o relato do dia anterior: "Quinto dia de Viagem, com emoção/imprevistos, claro..."
- o relato do dia seguinte: "Sétimo Dia de Viajem!"

Comentários dos Usuários

Não há comentários de usuários para este item.
Já possui uma conta?
Comentários
Powered by JReviews